quarta-feira, 18 de novembro de 2020

TEMPO E OPORTUNIDADE



                                                              Luís Ernesto Serra Azul da Fonseca


O texto que vamos publicar é de autoria de Serra Azul e apareceu pela primeira vez no blog GELACHESS, coordenado pelo enxadrista e escritor nas horas vagas. A relação tempo e oportunidade dá-se nas entrelinhas, subliminar. O "tempo quântico" encaminha uma interpretação do quadro Guernica de Pablo Picasso.

Vi o quadro pela primeira vez em 1980 no MoMA, Museu Arte Moderna de NY, ainda sem a experiência que a vida me deu. O que me chamou a atenção foram as linhas geométricas, pra mim um tabuleiro imaginário e algumas peças. Entre as quais um cavalo. A minha segunda vez diante do quadro, foi na Espanha. O quadro ficou "exilado" 40 anos e com a morte de Franco voltou. O museu que o abrigou, por ironia do destino foi um antigo hospital, que reformado, deu origem ao Reina Sofia. Dez, doze anos se passaram e a segunda vez diante da obra foi silenciosa, quase dramática. Era uma partida, eu de peças pretas, perdido no meio de uma caótica armadilha. Múltiplas interpretações e num lugar simbólico, um antigo hospital. Àqueles feridos no bombardeio da cidade Basca de Guernica, finalmente seriam atendidos. Uma linguagem  paradoxal, uma partida imaginaria e atemporal. Levei esse lapso de tempo para entender os significados contidos no quadro

Vamos ao texto do Serra, um primor de analise comparativa, instigante e uma outra maneira de interpretar o "salto do cavalo"


O Salto do Cavalo e o Hiperespaço

 

Em 1884 o clérigo britânico Edwin Abbot escreveu um romance de grande sucesso, com nove sucessivas tiragens: Flatland: A romance of many dimensions by a Square.

Neste, um cavalheiro chamado Quadrado vive num mundo bidimensional, a Chatalândia, com um rígido sistema de castas. Um dia ele recebe a misteriosa visita do Senhor Esfera.  Na sua visão bidimensional, o Senhor Quadrado via apenas a capacidade do Senhor Esfera, na forma de um círculo, tomar o tamanho que quisesse e desaparecer quando bem entendesse.  A consciência que o Senhor Quadrado adquiriu em contatos e viagens com seu amigo tridimensional acabou sendo seu infortúnio, pois virou uma ameaça ao mundo dos chatalandeses sendo perseguido por seus Sumos Sacerdotes.

Ao ler esse conto, logo me veio à mente o xadrez.

Jogo estritamente bidimensional onde uma única peça tem a consciência e a capacidade de utilizar, de forma limitada, um universo que ela mal consegue enxergar apesar de saber de sua existência: o espaço tridimensional em que vivemos.

 

Quem já jogou Xadrez Australiano sabe o caos que é para os habitantes do mundo plano a entrada, do nada, de novos guerreiros inimigos. É conhecida a debilidade nesse mundo louco das outrora poderosas torres e damas, que se fragilizam enormemente num universo completamente poroso. E o crescimento em força do Cavalo, o único que pode utilizar esse mundo tridimensional em seus deslocamentos.

O Cavalo encanta, o conhecido salto em L nada mais é que uma saída abrupta de um mundo bidimensional e seu reaparecimento em outro local desse mundo, tais quais os buracos de minhoca tão badalados por nossos físicos teóricos.

Essa capacidade do Cavalo, uma peça lenta, que não consegue ganhar tempos e nem mutuamente se defender com qualquer outra peça, faz com que ele quase se iguale em força e muitas vezes supere o poderoso bispo.

O Cavalo é um solitário por natureza, sua capacidade é sua desgraça, a cada salto ele abandona todo o território de sua influência, perdendo todas suas posses e bens e entrando num mundo novo, onde terá que fazer novas alianças e abandonar as antigas. E seu salto é quântico, ou seja, determinado, mensurável, limitado. As forças inimigas podem tentar se prevenir aonde o cavalo pode aparecer, mas para esses cálculos gastam uma enormidade de energia mental, muitas vezes exaurindo os recursos escassos, tornando o Cavalo tão temido perante exércitos mais inexperientes.

E quanto menos recursos seus inimigos têm (tempo, conhecimento), mais potente torna-se o Cavalo. Até exércitos comandados por fortes mestres internacionais já desmoronaram surpreendidos por este senhor, que quando ameaça, não está ameaçado e, a não ser sua eliminação física, nada pode interpor-se ao seu próximo salto.

 

Luís Ernesto Serra Azul da Fonseca

Funcionário Público, Escritor e Sócio do MXC

Obs.: Xadrez Australiano: xadrez jogado entre duas duplas em dois tabuleiros, em que as peças capturadas por um jogador podem retornar a qualquer momento como uma jogada por seu parceiro. Não se esforcem para entender, é caótico.

FACEBOOK OFICIAL

Nenhum comentário :

Postar um comentário